Redes Sociais




Google+

Monthly Archives: maio 2013

Dez anos de WordPress

18-wordpress_icon-256x256

Nos início dos anos 2000, a grande febre dos usuários da web era postar relatos pessoais em blogs. Nesse contexto, anterior ao boom das redes sociais,  surgiu em 2003 o WordPress em 2003. Nesta segunda-feira (27), o sistema de gerenciamento de conteúdo  (CMS) completa dez anos. E ao contrário dos concorrentes da época (como Blogger e Live Journal), continua mantendo a força.

Ser um software livre e que pode ser modificado por desenvolvedores foi o grande trunfo do WordPress. De uma simples ferramenta para blogueiros que desejavam postar relatos pessoais, o WordPress se tornou uma das melhores alternativas para quem quer criar um site profissional. Isso aconteceu justamente pelo software ter sido aprimorado nos últimos dez anos.

A possibilidade de ser modificado também fez com que uma comunidade online de desenvolvedores e usuários fosse criada em torno do WordPress. E é justamente essa comunidade que está organizando alguns eventos para este dia 27 de maio. Trata-se do WordPress Meetup, que acontece em cerca de 500 cidades.

No Brasil, o principal encontro da comunidade vai acontecer em São Paulo. Uma das organizadoras do evento é Cátia Kitahara, que fundou a comunidade brasileira. Ela diz que o grande número de usuários ajudou a ferramenta a se tornar popular. “O que diferencia é que a comunidade é muito grande e fica muito fácil encontrar suporte”, afirma. De acordo com Cátia, o encontro de São Paulo deve contar com cerca de 70 pessoas.

Mas, para o quê serve o WordPress?

Há duas possibilidades de utilizar o WordPress. A mais simples delas é usando o serviço de blogs do WordPress.com. Nesse caso, você precisa ir até a página do serviço, fazer um cadastro e criar uma página que vai ter o domínio “nomedosite.wordpress.com”. A partir disso é possível fazer tarefas simples na página como atualizar as postagens. Esta opção é similar ao Blogger ou mesmo o Tumblr.

A segunda opção de uso do WordPress é em domínios próprios (ex: nomedosite.com.br ou nomedosite.com). Com o WordPress como CMS de um site, a gama de recursos (como layouts para a página e plugins para administrar a página) aumenta. Para usar o software desta forma, você precisa primeiro registrar um domínio e hospedagem de site.

Alguns serviços de hospedagem já contam com a opção do WordPress para ser utilizado. Caso a empresa de hospedagem não ofereça o CMS, você deve fazer o download do programa no site wordpress.org.

Entenda o que é:

CMS – Sistema de Gerenciamento de Conteúdo (tradução para Content Management System). Trata-se da plataforma que utilizamos para administrar uma página na internet. Além do WordPress, são populares o Drupal e o Joomla. O Blogger (do domínio Blogspot) também pode ser usado como CMS.

Fonte: EBC

Segurança em transações financeiras na internet

acesso_banco_internet

Para realizar transações financeiras e obter informações por computador via Internet, os clientes devem conhecer os riscos a que podem estar sujeitos e quais as medidas preventivas que devem adotar para evitá-los. As recomendações aos clientes com essa finalidade são as seguintes:

Mantenha antivírus atualizados instalados no computador que utilizar para ter acesso aos serviços bancários;

Troque a sua senha de acesso ao banco na Internet periodicamente;

Só utilize equipamento efetivamente confiável. Não realize operações em equipamentos públicos ou que não tenham programas antivírus atualizados nem em equipamento que não conheça. Existem programas – denominados Cavalos de Tróia – utilizados por fraudadores para capturar as informações do cliente quando digitadas no computador;

Não execute aplicações nem abra arquivos de origem desconhecida. Eles podem conter vírus, Cavalos de Tróia e outras aplicações prejudiciais, que ficam ocultas para o usuário e permitem a ação de fraudadores sobre sua conta, a partir de informações capturadas após a digitação no teclado;

Use somente provedores confiáveis. A escolha de um provedor deve levar em conta também seus mecanismos, políticas de segurança e a confiabilidade da empresa;

Cuidado com e-mails não solicitados ou de procedência desconhecida, especialmente se tiverem arquivos “atachados” (anexados). Correspondências eletrônicas também podem trazer programas desconhecidos que oferecem diversos tipos de riscos à segurança do usuário. É mais seguro “deletar” os e-mails não solicitados e que você não tenha absoluta certeza que procedem de fonte confiável. Tome cuidado especialmente com arquivos e endereços obtidos em salas de bate-papo (chats). Alguns desses chats são freqüentados por hackers ;

Evite sites arriscados e só faça downloads (transferência de arquivos para o seu computador) de sites que conheça e saiba que são confiáveis.

Utilize sempre as versões de browsers (programas de navegação) mais atualizadas, pois geralmente incorporam melhores mecanismos de segurança.

Quando for efetuar pagamentos ou realizar outras operações financeiras, você pode certificar-se que está no site desejado, seja do banco ou outro qualquer, “clicando” sobre o cadeado e/ou a chave de segurança que aparece quando se entra na área de segurança do site. O certificado de habilitação do site, concedido por um certificador internacional, aparecerá na tela, confirmando sua autenticidade, juntamente com informações sobre o nível de criptografia utilizada naquela área pelo responsável pelo site (SSL). Não insira novos certificadores no browser (programa de navegação), a menos que conheça todas as implicações decorrentes desse procedimento.

Acompanhe os lançamentos em sua conta corrente. Caso constate qualquer crédito ou débito irregular, entre imediatamente em contato com o banco.

Se estiver em dúvida sobre a segurança de algum procedimento que executou, entre em contato com o banco. Prevenção é a melhor forma de segurança.

Em caso de dúvida, procure por seu banco e pergunte que medidas de proteção estão sendo tomadas quanto à segurança das transações on-line.

Os meios de comunicação estão permanentemente divulgando dicas de segurança aos usuários da Internet. Mantenha-se atento.

Fonte: Febraban (www.febraban.org.br)

Os abaixo-assinados que invadem a internet

abaixo-assinado

À sombra de abaixo-assinados virtuais que reivindicam a renúncia de políticos acusados de corrupção ou o fim do desmatamento de florestas, há, na rede, milhares de outras petições com pleitos curiosos e inusitados.

Os temas das campanhas variam desde a construção da “Estrela da Morte”, a gigantesca estação espacial do filme Guerra nas Estrelas, à reanexação do Brasil a Portugal.

Confira algumas.

Estrela da Morte
No final do ano passado, a Casa Branca recebeu uma petição que reivindicava a construção da Estrela da Morte, a gigantesca estação espacial do filme “Guerra nas Estrelas”, capaz de aniquilar planetas.

A proposta foi pensada como uma alternativa para os Estados Unidos contornar a crise e reaquecer a economia do país.

Como o número de pessoas que aderiu à causa foi alto, o governo americano teve de elaborar uma resposta, assinada pelo chefe do Departamento de Ciência e Espaço da Presidência dos EUA, Paul Shawcross.

A resposta, carregada de ironia, foi negativa. Pelos cálculos de Shawcross, a Estrela da Morte custaria US$ 850 quadrilhões, o que ampliaria o déficit americano, causando desemprego.

Metallica
Em abril deste ano, um fã brasileiro da banda de rock Metallica endereçou um abaixo-assinado à presidente Dilma Rousseff pedindo que o hino brasileiro seja substituído pela canção “Justice for All” do grupo americano.

Segundo ele, o hino brasileiro, apesar de sua música linda, possui uma letra “que raros brasileiros entendem”.

“Seu vocabulário arcaico e rebuscado faz com que os brasileiros simplesmente cantem o hino por cantar, sem entender o que estão falando”, completa o usuário.

“‘Justice for All’, do Metallica, é escrito em bom inglês, a língua universal dos dias de hoje, e traz uma letra marcante que clama por justiça”, acrescenta.
Até agora, a petição obteve pouco mais de 9.000 assinaturas.

Portugal
Em abaixo-assinado destinado à presidente Dilma Rousseff e ao primeiro-ministro de Portugal, Cavaco Silva, um usuário advoga pela “devolução do Brasil” à sua ex-metrópole.

Ele argumenta que, enquanto Portugal “ainda não se livrou da crise financeira”, o Brasil “sofre por um ser um país periférico sem acesso e contato com o Velho Continente”.

O convite à reanexação teve pouco mais de 300 assinaturas desde que foi criado, no final de abril.

Fumaça preta
Durante o conclave da Igreja Católica que escolheu o novo papa Francisco, um usuário lançou um abaixo-assinado pedindo o fim do que chamou de “racismo na simbologia do Habemus Papam”.

Segundo sua justificativa, a petição propunha rever “o simbolismo da fumaça preta que é solta pelo Vaticano durante o conclave para simbolizar um aspecto negativo [a não escolha de um novo papa], e a Fumaça Branca para simbolizar um aspecto positivo [a escolha de um novo Papa].

“Fica claro que existe um racismo histórico implícito nessa ação. Queremos o fim da associação forçada entre a cor preta e o que é negativo”.

A petição obteve apenas 67 assinaturas.

Games
Uma petição encabeçada pela Associação Comercial, Industrial e Cultural dos jogos eletrônicos do Brasil (Acigames) pede à ministra da Cultura, Marta Suplicy, a inclusão dos games no vale-cultura.

Segundo o presidente da entidade, Moacyr Alves Júnior, Marta autorizou “que o dinheiro investido na produção de games seja deduzido do imposto de renda como investimento em cultura, mas não quer que o brasileiro possa comprar games com o vale-cultura. Isso é um contrassenso”.

Como forma de protesto, um dos estúdios de produção de jogos eletrônicos criou um game em que o usuário tem de acertar um alvo com a palavra “cultura”, porém, é impedido por um boneco que imita a ministra.

Até agora, o abaixo-assinado já obteve cerca de 8.000 assinaturas.