Redes Sociais




Google+

saúde

Você já praticou nadismo hoje?

Untitled-1

 

 

Acredite: uma pitada de ócio, diariamente, pode fazer milagres, aumentando a produtividade e a criatividade.

 

 

– Nada melhor do que não fazer nada!” Já dizia Rita Lee.

O italiano Domenico De Masi, em sua obra “O Ócio Criativo” (ed. Sextante), de 1995, afirmou que momentos de puro ócio alivia o estresse, estimula a criatividade, nos torna mais produtivos no trabalho e aumenta o autoconhecimento.

Em 2006 surgiu o nadismo, que pelo nome, já diz a que veio. “O movimento propõe uma importante transformação cultural: a consciência de que fazer nada não é perda de tempo, mas uma forma muito valiosa de aproveitá-lo.”

Segundo o neurocientista americano Andrew Smart, pesquisador da Universidade de Nova York, o cérebro possui algumas regiões que estão mais ativas quando estamos em repouso, são as redes neurais. Estas áreas são o piloto automático do cérebro, que quando não estamos fazendo nada, ela fica estabelecendo conexões. Além de fixar informações e processar emoções, que não seria possível se estivéssemos fazendo qualquer coisa.

Ou seja, deixar a mente vagar é um santo remédio para estimular a criatividade e garantir uma boa qualidade de vida.

Dormir, apesar de ser reconfortante, não é considerado como momento de nadismo, pois o cérebro faz uma limpeza quando dormimos, mas a rede neural não é ativada nestes períodos de descanso.

Eu, por exemplo, tenho que estar sempre fazendo algo. Quando termino meu trabalho, vou descansar ficar de “pernas pro ar”, mas sempre fazendo algo para relaxar, como lendo, conversando, navegando no smartphone ou tablete. Mas isso também não é nadismo e não estou deixando minha rede neural estabelecer conexões importantes.

E aí, como vou ficar perdendo tempo sem fazer nada?

Calma, basta um minuto por dia. Pare e contemple o céu, árvores, flores, etc.

Mas se você trabalha em uma sala fechada e não tem acesso externo, acesse o endereço www.nadismo.com.brem seu computador e vislumbre por um minutinho a travessia das nuvens pelo céu azul. Já ajudará e muito.

O importante é se desconectar do que está fazendo. Meditar, ouvir uma música tranquila, caminhar, já é capaz de reduzir o estresse e trazer uma boa disposição.

Além de proporcionar uma calma imediata, esse exercício simples conduz a mente para o presente, deixando o cérebro mais ativo.

Relaxe e pratique o nadismo.

Lucia Costa

W3alpha

Usuários de computador devem ter cuidado com os olhos

  É cada vez maior o número de pessoas com a patologia diagnosticada como Fadiga Visual ou Síndrome do Usuário de Computador, conhecida também como CVS (Computer Vision Syndrome), denominação em inglês.

A Síndrome do Usuário de Computador (CVS) é caracterizada por cansaço visual associado com uso prolongado do computador, pois a visão não foi criada para encarar uma tela do monitor de computador durante muitas horas.

Os monitores são compostos de pixels (minúsculos pontos) nos quais o olho não consegue foco. O usuário de computador tem que “focar e refocar” para manter as imagens bem definidas. Outro fator importante são as 16,7 milhões de cores geradas pelo monitor de vídeo, que sobrecarregam a musculatura responsável por regular a entrada de luz até a retina. As imagens em pixels exigem ajuste de foco milhares de vezes por dia. Isto resulta em tensão dos músculos do olho. Adicionalmente, depois do uso prolongado do computador, é diminuída a freqüência de piscar, que causa olhos secos e doloridos. Como resultado, a habilidade para focar diminui e podem ocorrer dores de cabeça e no pescoço.

Os principais sintomas são: olhos irritados, ressecados e vermelhos, com coceira ou lacrimejamento; fadiga, sensibilidade à luz, sensação de peso das pálpebras e dificuldade em atingir o foco; enxaquecas, dores lombares e espasmos musculares.

Não há nenhuma evidência que indique que computadores causam problemas de visão. Segundo testes em laboratórios americanos, os monitores emitem pouca ou nenhuma radiação prejudicial sob condições operacionais normais. De fato, a quantia de radiação ultravioleta produzida por estes é uma pequena fração da produzida por iluminação fluorescente.

Alguns sugerem que os sintomas de CVS acontecem como resultado de condições externas relacionadas à tela do computador. Estas condições podem incluir falta de iluminação, má localização da iluminação, posição imprópria do monitor, tela suja e problemas oculares pré-existentes.

Para evitar o problema, alguns cuidados básicos devem ser tomados.

Pisque com freqüência
A radiação emitida pelo computador não prejudica os olhos, mas o hábito de ficar muitas horas ininterruptas em frente ao monitor causa desconforto visual e visão embaçada. As milhões de cores geradas pelo monitor sobrecarregam a musculatura responsável por regular a entrada de luz até a retina. Ao usar o computador, o usuário movimenta pouco o globo ocular e pisca, em média, cinco vezes menos que o normal. Piscar é importante porque fortalece a musculatura dos olhos e ajuda na manutenção da sua umidade.

Relaxe
O ideal é fazer uma pausa de 10 minutos a cada hora. A luminosidade da tela faz com que as pupilas se fechem, provocando um esforço muscular, além de causar sonolência e cansaço visual.

Colírios
Use colírio lubrificante se seus olhos forem muito sensíveis. Porém, siga orientação médica, pois há colírios que contêm substâncias vasoconstritoras que clareiam os olhos mas ressecam as mucosas.

A mesa de trabalho
Procure colocar outros utensílios de trabalho (telefone, máquina de calcular, porta-lápis, etc.) o mais próximos possível do monitor. Esta providência diminui a necessidade de “focar e refocar” e diminui a extensão dos movimentos para alcançá-los. Se você usa documentos junto ao computador, procure mantê-los perto da tela (como com pranchetas com apoio ou suportes presos diretamente na lateral do monitor). Assim você minimiza os movimentos da cabeça e dos olhos, obtendo maior conforto.

Procure adequar o monitor

 

cvs1

   – O topo do monitor deve estar na altura dos olhos ou ligeiramente abaixo.

   – A posição do monitor deve estar entre 50 e 70 centímetros de distância dos olhos.

   – O ângulo de visão para a tela do monitor deve ser de 10 a 20°.

   – Evite o ofuscamento. Cuidado com luzes incidindo direto sobre os seus olhos (como luminárias de mesa).

   – Os documentos utilizados devem estar perto da tela (em pranchetas).

   – Ilumine bem o ambiente onde está localizado o computador.

   – Se necessário, utilize um filtro anti-reflexo na tela do computador.

 

Para evitar a síndrome descrita é importante manter suas receitas de óculos sempre atualizadas. Por isso, consulte o médico especialista de sua confiança, sempre que necessário.

 

Fontes:
American Optometric Association
University of Pennsylvania Health System
Caixa de Previdência dos Funcionários do Banco do Brasil
IDG Now

Ambiente de trabalho confortável

postura_computador_trabalho

 

Quando usamos o microcomputador por diversas horas durante o dia, podemos perceber mal-estar e dores em algumas partes de nosso corpo. Estes problemas osteomusculares podem variar de pequenas dores musculares que duram poucas horas a problemas em tendões que durem por vários anos. São as chamadas doenças ocupacionais, já classificadas como Lesões por Esforços Repetitivos (LER) e, mais modernamente, como Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho (DORT).

As áreas do corpo que mais se ressentem são as mãos, os pulsos, os cotovelos, os ombros, as costas e o pescoço. Os sintomas podem ser sentidos quando usamos o teclado e o mouse ou, em outros momentos, quando não estamos mais utilizando o computador (especialmente à noite, quando podemos ser acordados pelo incômodo ou dor).

Para minimizá-los, alguns pontos devem ser observados:

– Ao usar o computador por várias horas seguidas, preste atenção à tensão, desconforto e dores que podem aparecer e tome medidas imediatas para eliminá-las.

– Levante-se com freqüência, e caminhe por alguns minutos para relaxar e alongar-se. Isso deve ser feito pelo menos de hora em hora.

– Preste atenção na sua postura durante o trabalho, procurando manter-se ereto.

– Ajuste sua cadeira de forma que suas costas estejam firmemente apoiadas no encosto e seus pés totalmente apoiados no chão. O apoio dos braços também é muito importante, para evitar esforço nos cotovelos e ombros.

-. Posicione o monitor de forma que sua borda superior esteja na altura de seus olhos e diretamente à frente de você. Se você usa óculos multifocais, incline o monitor levemente, para manter sua posição ereta, sem perder o foco de visão.

– O teclado deve estar na altura de seus cotovelos, assim como o mouse. Avalie com cuidado os apoios para pulso existentes no mercado. Podem não se adaptar às suas características ergonômicas, principalmente se considerarmos que são áreas muito sensíveis de nosso corpo.
– Se desejar, experimente outros tipos de teclado e de mouse.  Há diversos modelos disponíveis, com diferentes características.

– O estresse do trabalho também pode provocar dores semelhantes. É importante identificar as reais causas de seu desconforto.

– De qualquer forma, sempre que sintomas sejam percebidos, procure um médico especialista ou consulte a área de saúde de sua empresa. Quanto mais cedo for feito o diagnóstico do problema, mais fácil de ser corrigido.

Link útil: SESC-São Paulo – LER e DORT

 

Fonte: RJNET